terça-feira, 25 de maio de 2010

Dirigindo que e uma beleza

Cresci numa comunidade pobre, onde a maioria das pessoas que tinha carro era taxista. E por falar em taxi, minhas vizinhas so utilizavam-no quando saiam da maternidade apos dar a luz. Foi assim com minhas irmas tambem. Por falar nelas, Joelma, a mais velha, foi a primeira la de casa a aprender a dirigir, um namorado a ensinou. Como eu nao fui muito namoradeira, nao tive as mesmas oportunidades. Quer dizer, lembro de gatinhos me cantando com a porta do carro literalmente aberta e me chamando pra sair. Isso foi nos anos da faculdade. Mas eu sei que aqueles caras nao tavam interessados em me ensinar a dirigir um carro, mas sim me levar pro bar da Kelly e depois pro motel mais proximo. Como a maga sempre teve o desconfiometro ligado, nunca aceitou essas baixarias. Mas pra que aprender a dirigir se eu morava num beco que nem carro entrava???????????

E eu tava tao acostumada a pegar o "511 - Alto do Mandu", que mesmo quando pegava o barro macaxeira, voltando da faculdade num aperto danado, eu me sentia em casa. A gente acaba se acostumando, conhecendo gente e fazendo amizades. Eu sabia que se onibus tava lotado eu teria que procurar os rostinhos amistosos conhecidos porque eu estaria certa de que aquela criatura ia pedir meus livros e minha bolsa pra segurar durante o percurso. Isso era depois de um dia com 8 horas de trabalho e 3 de facul. Ja quando eu saia pra trabalhar, se perdesse o horario do onibus e so tivesse a chance de subir no danado quando ele ja estivesse lotado, eu teria que procurar os rostinhos lindos e maravilhosos dos estudantes, sentados, que desciam poucas paradas depois. Eu e meus concorrentes que viajavam em pe conheciamos aqueles rostinhos tao bem.

Com a violencia crescendo e as oportunidades de trabalho tambem, eu passei a usar taxi mais frequentemente. Eu tinha pavor de saber que "os caras da moto" tinham tomado a bolsa ou roubado o celular de mais alguem. Eu sempre pensava que isso poderia acontecer comigo. Entao, quando passei a ter empregos descentes e ser muito bem remunerada por eles, nao dava outra: se estava tarde, eu preferia chamar uma companhia de taxi e ir pra casa. Eu claro que evitava o quanto podia, mas saia prevenida com o dindin pra voltar de taxi se fosse necessario. Quando minha irma mais velha comprou o carro dela, eu contribuia com o combustivel, e ela fazia o servico do taxista pra mim, o que era muito mais divertido e comodo.
Tive vontade de aprender a dirigir, mas nao tinha tempo de aprender, quando tive tempo, faltou dinheiro, eu tinha saido do emprego. Eu ate disse a Ernie que Joelma ia me ensinar a dirigir, ele pediu por tudo que eu nao aprendesse, porque ele me ensinaria aqui e que seria muito mais facil. E foi! Mais barato ate! Estudei o manual pra fazer o teste do "Instruction Permit".
Aqui e assim: a partir dos 16 anos, as pessoas podem fazer este teste. As leis sao diferentes de estado pra estado, mas aqui no Arizona, a gente precisa acertar 80% das questoes, que sao 30 no total. Paga-se 7 dolares pra fazer o teste e a gente tem o direito de tentar 3 vezes. Eu so passei na segunda. A gente recebe entao uma carteira de aprendiz, o que nos autoriza a dirigir em qualquer rua ou avenida, com tanto que alguem que tenha a carteira de motorista esteja do nosso lado, dando instrucoes. Quando o individuo julga que aprendeu, ele volta pra fazer o teste da "driver license", que custa so 10 dolares. Neste, um funcionario do MVD (motor vehicle division) senta do nosso lado e nos leva pra dirigir na estrada e avalia se obedecemos as instrucoes aprendidas no manual que estudamos anteriormente, pra o outro teste. O meu avaliador me fez estacionar num lugar publico e dar re entre os cones pra logo depois estacionar entre os danados. Eu tava era morrendo de medo de derrubar os cones em cima dele. Pra mim foi a parte mais estressante, mas com inteligencia emocional e forca na peruca, eu dizia pra mim mesma, "va lindona, voce consegue!" E eu consegui! Nada melhor que ouvi-lo dizer, apos estacionar depois da nossa voltinha: "Voce passou!" Passei de primeira nesse. Mas se nao tivesse conseguido eu iria tentar quantas vezes fosse encessario, porque eu sou brasileira, e como ouvi num comercial anos atras: "BRASILEIRO NAO DESISTE NUNCA". Se eu fosse fazer isso no meu pais do coracao, eu ia pagar mais de 600 reais so pra tentar tirar a carteira de motorista. E ainda ia ter que cair na graca dos avaliadores que normalmente ferram a vida de quem economiza essa fortuna pra conseguir esse documento.

Eu sou muito grata por todos os apertos que passei. O Pai Celestial tem uma maneira muito apropriada de nos moldar afim de que cheguemos a estatura do Salvador. Andei muito de onibus no passado e provavelmente farei muito isso ainda, todas as vezes que visitar minha terrinha. Hoje dirijo o meu carrinho, que nao e nenhuma ferrari, mas que tem me levado pra todos os lugares que eu desejo ir. E tem sido muito gostoso experimentar esta sensacao de liberdade.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Acampando nas areas da “Superstition Mountain”

Despedindo-se das baixas temperaturas que atraem frios mais intensos do que uma pobre nordestina consegue suportar, acampar nas montanhas e uma boa pedida. Ernie tinha prometido sair com a familia com esse proposito o que deixou Kohler tao excitado que, este, queria arrumar suas coisas (livros, cobertores e bichos de pelucia) uma semana antes. Detalhe: so pernoitamos no deserto.DSC_0025 Chegamos no fm da tarde da sexta e saimos depois de desmontar o acampamento e fazer desjejum na manha do sabado. Rapido? Sim. Efetivo? Completamente! E bom tirar as criancas e nos mesmos do mundo virtual no qual estamos inseridos. A gente conversa muito mais quando nao tem TV, computadores eDSC_0046 videogames por perto. Entre um mosquito e outro o papo vai rolando e a comunicacao nos leva pra bem longe, a ponto de a gente so esquecer que esta acampando quando bate o “aperto” e a galera e obrigada a encontrar o cacto mais amigavel pra descarregar a comilanca.

Aqui no Arizona, muita gennte vai pra areas deserticas pra fazer trilhas, acampar, e praticar tiros. Acho que a area que a gente ficou estava bem proxima de pessoa ou grupo que tenha escolhido tambem para a pratica de tiros. Podiamos ouvir o vento trazendo os sons das balas. E sem cuspir no prato que comi e voltarei a comer muitas vezes, dava uma tranquilidade porque eu imaginava que quem quer que estivesse atirando, estava fazendo-o porDSC_0049 hobby ao inves de estar brigando ou assaltando. Pense! Nunca foi tao tranquilizante ouvir o barulho de uma bala no ar! Era engracado ver alguns cartuchos de balas no chao, dando provas tangiveis de quem tinha estado ali antes de nos.

Voltando pra os momentos que tivemos juntos, acamparDSC_0034 em familia foi muito divertido. Fiquei muito orgulhosa de Dylan e Sierra enquanto montavam sua barraca. Dylan ate comentou sobre a sua ansiedade em participar de um grande acampamento nos proximos meses entitulado “Para o Vigor da Juventude”. DSC_0044 Eu ainda conversei com Sierra sobre o Acampamento das Mocas que esta chegando e do qual tambem participarei.Pra Kohler aplica-se aquela historia de que “se voce nao puder ajudar nao atrapalhe”. Entao quando ele nao estava no carro lendo, estava tirando fotos da gente (Ernie designou-o fotografo mirim para que ele se sentisse util). Substitui Kohler nas fotos porque a camera que ele estava usando descarregou.

A noite fora tranquila e fria. Quando senti o friozinho nos meus pes despertei. Entao levantei pra acompanhar o marido cozinheiro em sua labuta. Ernie e tao dedicado em oferecer coisas legais pras criancas, eu fico toda orgulhosa desse meu marido! Ate bolo ele fez na noite anterior e ficou uma delicia. Ok, ok! ele usou uma mistura, mas e dai? O que importa e que ate no meio do nada a gente teve a sobremesa de sexta a noite! Kohler quando acordoDSCF6150u, excitadissimo, fazia o barulho que podia pra acordar os irmaos, sem sucesso, porque eles so decidiram se levantar quando o desjejum estava todo pronto. Sierra, so veio pro circulo depois de cuidar da sua aparencia. Porque estar no deserto, nao e desculpa pra nao pentear os cabelos! Mas ca pra nos: ela foi a unica!

Seguem algumas fotos do nosso divertido acampamento:

I`m...

Minha foto
Chandler, Arizona, United States
Sou a CEO da minha familia, a chef da nossa cozinha, piloto de fogao, especialista em transportes, decoradora, pscicologa, medica, esposa, mae, amiga... a lista e grande. mas tem uma coisa que sou igualzinha a voce: IMPERFEITA (O).